exposição

Diálogos - o elefante e a formiga

7 Março a 4 Abril 2020

inauguração

7Mar | 16h00

"Deste encontro inusitado surgiram mais bençãos que alguma vez imaginámos. Ambas temos um percurso forjado na comunicação e comunidades.

Demos este passo recente de ancorar a ilustração para dar maior continuidade a este processo e para sentir a liberdade.

Os elefantes e as formigas foram o mote para este impulso de trabalhar a música, a poesia e os ditados populares na ilustração. A leveza através do peso, a força através da fragilidade. E inverter conceitos.

Foi também um encontro de diversas esferas humanas;  de culturas diferentes, de caminhos artísticos, de sermos mães, de partilhar um espaço e refeições . E de multiplicar a abundância que é o acolhimento da amizade."

postal_elefantaria.jpg

Elefantaria

smalorny_tralala_web.jpg

Trá-lá-lá

ppaulhota_aponte1.jpg

A ponte

postal_cantocigarra-frente.jpg

O canto da cigarra

Dimensão: 29x40 cm    Técnica: mista      Preço unitário: 50€

Susanne.jpg

Susanne Malorny

Formada em Comunicação Visual (pré-Bolonha), em Londres é também pós-graduada em Pedagogia e terapia artística.

Desde 1992 que trabalha em projetos onde a arte e a imaginação estão ao serviço do conhecimento.

Vê o seu trabalho artístico individual como uma forma de enriquecer o encontro coletivo, nas oficinas que realiza em diversas instituições. Encontra na  ilustração a forma mais livre de explorar diversas técnicas e formas artísticas.

biografia

paula.jpg

Paula Palhota

Com Mestrado “pré-Bologna” em Média Studies, incidência em Tecnologia dos Media e História Contemporânea da Braunschweig - Universidade de Artes e na Universidade de Tecnologia na Alemanha, trabalha há 15 anos na área do cinema e audiovisual em produção, distribuição, edição, realização e fotografia.

O seu documentário “Coisa de Alguém” (2014) ganhou o prémio do melhor filme do festival “Córtex” em Sintra e foi exibido em festivais internacionais e na RTP2.

Dedica-se há dois anos à ilustração infantil, uma forma livre, leve e sem limites de proporcionar mini-eventos a todos em forma de livro.

MANIFESTO PARK.ARTE

“A qualidade do que é comum"

A Park.Arte é a designação que demos ao nosso grupo de artistas residentes no Parque das Nações.

Estamos unidos por uma mesma vontade, a vontade de seremos artistas proactivos e transformadores do espaço circundante a que habitualmente apelidamos de “Nosso bairro”.

Queremos ser relevantes para a comunidade onde residimos e, para tal, queremos dar-nos a conhecer, estando próximos e com uma oferta artística de qualidade.

Esta proximidade irá proporcionar uma maior adequabilidade do tipo de oferta e criar uma dinâmica cultural mais ativa e presente no quotidiano da população do Parque das Nações (residentes, visitantes, trabalhadores). Resumindo, pretendemos estar na memória viva da população do Parque das Nações e ser uma opção de programa lúdico aquando da seleção de atividades a fazer nos tempos livres e de lazer.

Para tal propomo-nos a:

     • Investir na relação População (Residente/visitante/trabalhador)  Vs Artistas do Parque das Nações

     • Promover o acesso à arte e à crítica da obra de arte, dando para tal, acesso a exposições, workshops e espaços de tertúlia.

A mostra dos nossos trabalhos artísticos junto da comunidade do Parque das Nações não pretende ser uma mostra competitiva, mas sim uma mostra panorâmica da diversidade e talento dos artistas do bairro. Estamos certos que juntos iremos contribuir para o enriquecimento do bairro que, per si, já é um local diferenciador e de referência tanto em Portugal como no Mundo.

esplanando.png
logoParkArte.jpg